Uso Correto dos Medicamentos – PES 01

O uso correto dos medicamentos é essencial para que se alcancem os efeitos esperados e evitar danos à saúde. As Farmácias e Drogarias têm um papel muito importante , que é garantir e beneficiar os clientes com informações sobre o Uso Correto de Medicamentos.

É essencial o papel dos farmacêuticos nas farmácias e drogarias a fim de proporcionar um melhor atendimento para a população. Lembramos que ela, a farmácia, é um posto avançado de saúde e não simplesmente um centro comercial.

ALGUNS DADOS ALARMANTES

Para cuidarmos dos pacientes como objetivamos é necessário garantir que recebam os medicamentos corretos para a suas necessidades clínicas, na dose correta e indicada, por um tempo adequado e a um custo acessível; assim define-se o Uso Racional de Medicamentos pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Sabe-se que no Brasil, os medicamentos são a 1ª causa de intoxicação em seres humanos e 2ª causa de mortes por intoxicação, conforme o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINITOX). Esse informa, também, que 60% de todos os medicamentos são prescritos, dispensados ou usados incorretamente; somente 40 % dos pacientes, em média, tomam corretamente seus medicamentos.

Apesar dos medicamentos salvarem vidas e melhorarem as condições de saúde das pessoas, eles não devem ser tratados como mercadorias e usados indiscriminadamente, pois nesse caso, estarão contribuindo para o “adoecer” da população.

QUAL É O PAPEL DO MEDICAMENTO?

Existe ainda um grande distanciamento entre os profissionais de saúde e seus pacientes, que leva a uma “desumanização” da atenção à saúde. Esta desumanização tem levado muitos profissionais de saúde a prescreverem medicamentos para cada sintoma do paciente, desconsiderando-o como uma pessoa que vive dentro de uma realidade coletiva – família e comunidade- sujeita a fatores que podem interferir de maneira positiva ou negativa na sua saúde.

A cultura da automedicação vem levando a sociedade a criar uma correspondência direta entre medicamentos e doenças, tendo para cada mal um medicamento correspondente.

Por receber o medicamento sempre como um elemento de cura dotado de um certo poder milagroso, um tipo de “santo enlatado”, as pessoas dão ao mesmo um poder muito maior do que ele realmente possui, esquecendo os riscos sempre envolvidos no consumo de qualquer tipo de medicamento.

O medicamento é apenas um instrumento técnico que faz parte da atenção à saúde, assim como um leito hospitalar ou um exame laboratorial, não sendo capaz de resolver, por si só, os problemas das pessoas.

ORIENTAÇÕES QUE O CLIENTE DEVE RECEBER NO BALCÃO DA FARMÁCIA:

Quando um cliente é atendido no balcão da farmácia, deve ser orientado quanto ao uso e guarda dos medicamentos. Essas orientações devem ser transmitidas mesmo que o cliente não solicite, pois às vezes ele desconhece a existência de tais orientações.

1- Conferir com o cliente todos os medicamentos solicitados, com a respectiva receita;

2 – Orientar o cliente quanto à utilização do medicamento, informando qual a dose a ser administrada, em que horário etc;

3 – Orientar quanto à guarda dos medicamentos em casa.

ORIENTAÇÕES QUANTO À GUARDA E UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM CASA:

1 – Ao chegar em casa, guarde os medicamentos em local apropriado. Na maioria das vezes deve ser guardado em local fresco e arejado. Isso quer dizer: local com temperaturas amenas, sem umidade e com circulação de ar, sem abafamento. sendo assim, não devemos guardar medicamento no banheiro, que é um local que recebe umidade do banho e, muitas vezes, abafado. Também não devemos guardar medicamentos em cima da geladeira, pois, esta recebe o calor do motor ( tem gente que até seca tênis atrás da geladeira). E na janela da cozinha? Nem pensar! O sol também altera os medicamentos, sem falar no calor. Alguns medicamentos devem ser guardados em geladeira. Isso significa que os medicamentos devem ser guardados dentro da geladeira, nas prateleiras superiores (não guardá-los na porta da geladeira, nem no congelador).

2 – Se existem crianças em casa ou se o paciente recebe visitas de crianças, eles devem guardar dos medicamentos em local trancado ou, pelo menos, inacessível a elas. As crianças são curiosas e não têm sendo de período para medicamentos. O maior número de intoxicação ocorre em crianças. Devemos estar atentos.

3 – Se o paciente comprar vários frascos do mesmo medicamento, deverá abrir uma embalagem de cada vez, não retirando o medicamento da embalagem original, assim preservando o número do lote e validade do medicamento.

4 – No caso do medicamento líquido, tomar cuidado para que a boca do frasco não fique suja. Se por acaso o líquido escorrer, deve-se limpar o frasco, impedindo que o rótulo se estrague, ficando ilegível.

5 – No caso de pomadas e cremes, deve-se limpar o bico da bisnaga, antes de fechá-lo.

6 – Ter sempre atenção ao prazo de validade do medicamento, nunca tomando medicamento vencido, mesmo que tenha vencido há pouco tempo. O medicamento vencido pode não ter ação e se já estiver alterado irá fazer mal à saúde.

7 – Não ingerir medicamentos com bebidas alcoólicas.

8 – Não misturar medicamentos, por exemplo, dois xaropes no mesmo recipiente ou colher, ou dois medicamentos na mesma seringa, a não ser que tenha sido solicitado pelo médico.

9 – Respeitar o horário de administração do medicamento. Se é para ser dado de 6/6 horas, não se deve pular o horário da noite ou readaptá-lo à conveniência do paciente. Essa atitude atrapalha o tratamento. Se o medicamento é para ser dado após as refeições, não tomá-lo em jejum.

10 – Se o paciente perceber alguma alteração de cor, sabor ou precipitação no medicamento, procure orientação e não administre o medicamento.

11 – Se o medicamento for uma suspensão, agitar durante, pelo menos, um minuto e administrar ao paciente em seguida.

12 – Não recolocar o medicamento no frasco. Se o paciente retirar uma quantidade de medicamento maior que a quantidade a ser utilizada (no caso de líquidos e pomadas), o restante deverá ser descartado.

13 – usar sempre medidas-padrão, ou seja, as colheres e copos-medida que acompanham os frascos. As colheres o copos caseiros não apresentam exatidão na medida.

14 – Não quebre drágeas nem abra as cápsulas.

15 – Não encostar o frasco de colírio no olho, nem bisnaga de pomada oftálmica. Contamina o medicamento.

16 – Não encostar a bisnaga de pomada ou creme em lesões. Retirar parte do medicamento e, então, aplicar no local indicado.

17 – Nunca alterar a dose prescrita. Por exemplo, se a prescrição é de 4 vezes ao dia, não administrar 2 ou 6 vezes. Se a prescrição é de 2 comprimidos, não tomar somente um.

18 – Em caso de dúvida, não administrar o medicamento. Procure o farmacêutico ou médico.

Deixe o seu Comentário